•  
     

Brasil entra no top 50 de competitividade.

O Brasil entrou em 2012 pela primeira vez no grupo das 50 nações mais competitivas do mundo, de acordo com o Relatório Global de Competitividade, que será divulgado hoje pelo Fórum Econômico Mundial.

O país passou da 53ª posição, em 2011, para a 48ª neste ano. Em dois anos, o salto foi de dez posições.

O estudo é feito desde a década de 1970, mas o Brasil só foi incluído em 1995.

Ao mesclar dados econômicos e a opinião de empresários, o relatório tenta medir em quais pontos os países deixam de ser eficientes em relação aos outros.

"Competitividade não é crescimento da economia, mas as condições para crescer de forma igualitária", afirma Carlos Arruda, coordenador do núcleo de inovação da Fundação Dom Cabral, responsável, ao lado do Movimento Brasil Competitivo (MBC), pelo estudo no Brasil.

Segundo Arruda, a posição ideal para o porte econômico brasileiro, considerando todos entraves regulatórios, seria entre os 30 primeiros.

Dentre os 12 fatores analisados para compor a classificação (veja quadro abaixo), o aspecto responsável pelo avanço do Brasil foi o que considera as condições macroeconômicas do país.

Nesse ranqueamento, o país saltou da 115ª posição para a 62ª. A mudança, no entanto, se deve a uma alteração metodológica: o indicador referente ao spread bancário [diferença entre o custo de captação dos bancos e os juros que eles praticam], em que o Brasil era o penúltimo no ano passado, foi excluído, por não ser comparável entre todos os países.

A ampliação dos usuários de telefonia móvel e de internet também ajudaram, além da percepção pelo empresariado de que o governo está se movimentando para solucionar problemas estruturais.

A opinião de mil presidentes de médias e grandes empresas brasileiras que atuam dentro e fora do país foram captadas de fevereiro a maio.

Por conta do baixo crescimento econômico generalizado no mundo, o Brasil foi o único dos Brics (Rússia, Índia, China e África do Sul) que subiu no ranking. Superou Portugal, um dos atingidos pela crise na Europa.

O Brasil também subiu uma posição em tamanho de mercado. Agora é nono.



Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/mercado/11 ... dade.shtml
 
É verdade houve uma grande mudança no ranking , conseguiu superar ate o Portugal