•  
     

Com 2 pódios no último dia, Brasil termina em 22º lugar nas Olímpiadas

Uma prata no vôlei masculino e um bronze no pentatlo moderno feminino fecharam a conta da participação brasileira na Olimpíada de Londres neste domingo. Com 17 medalhas, duas a mais do que a meta prevista pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), o Brasil volta para casa com três de ouro (judô, ginástica artística e vôlei feminino), cinco de prata (vôlei de praia masculino, vôlei masculino, boxe, futebol masculino e natação) e nove de bronze (três no judô, duas no boxe, vôlei de praia feminino, pentatlo moderno, vela e natação).

O Brasil encerra a campanha em Londres com número recorde de medalhas - até então, a maior marca havia sido de 15 pódios, em Atlanta/1996 e Pequim/2008. A melhor campanha, no entanto, continua sendo a de Atenas/2004, quando a delegação brasileira conseguiu ganhar cinco de ouro - foram 10 no total.

Os Estados Unidos já tinham garantido o primeiro lugar do quadro de medalhas em Londres desde sábado, mas aumentaram a liderança neste domingo com mais dois títulos: um na luta livre, categoria até 96kg, e o esperado ouro no basquete masculino.

Com 46 medalhas de ouro no total, os Estados Unidos superaram por 10 títulos a campanha de Pequim/2008 e deixaram para trás a China, que tinha liderado o quadro de medalhas há quatro anos, quando foi a anfitriã. Para os norte-americanos, foi também o melhor resultado obtido em uma Olimpíada desde Los Angeles/1984 - na ocasião, foram 83 de ouro.

A China passou o domingo em branco, sem conseguir nenhum ouro, e terminou a competição em Londres com 38 títulos, 13 a menos do que a campanha anterior. Assim, ficou em segundo lugar no quadro de medalhas.

A anfitriã Grã-Bretanha conquistou ainda neste domingo um último título no boxe. Assim, cumpriu a meta e se consagrou na terceira posição geral, com 29 medalhas de ouro, sua melhor campanha em mais de 100 anos. A Rússia tomou fôlego nos últimos dias de competições e, além dos seis títulos de sábado, ficou com mais três neste domingo (ginástica rítmica, boxe e vôlei masculino). Apesar da força na reta final, os russos somaram cinco de ouro a menos que os donos da casa e terminam a Olimpíada na quarta colocação.

A Coreia do Sul estacionou com seus 13 títulos, perdendo a posição para a Rússia nos últimos dias. Assim, os sul-coreanos fecharam a Olimpíada em quinto lugar, à frente de Alemanha e França, que somam as mesmas 11 de ouro, com os alemães saindo na frente no número de medalhas de prata. A Itália e a Hungria também aparecem empatadas em títulos, com oito cada uma. Mas os italianos ficaram na oitava posição graças às cinco de prata a mais que os húngaros. Fechando a lista dos 10 melhores, aparece a Austrália, com sete de ouro, 16 de prata e 12 de bronze.

Tanto os australianos quanto os japoneses, que aparecem logo em seguida na tabela, patinaram ao longo desta Olimpíada, ao conquistar muitas medalhas de prata e bronze, mas poucas de ouro. Porém, na última semana, enquanto a Austrália conquistou títulos na vela e na canoagem, o Japão tomou impulso nas lutas. Com isso, os dois países conseguiram melhorar a classificação geral.

Um dos destaques mais inusitados desta Olimpíada foi o Casaquistão, que fez de longe sua melhor campanha na história. Ao conquistar um último título neste domingo no boxe, o país soma sete medalhas de ouro e aparece na 12ª posição geral, um feito inédito na curta história olímpica da república que até Barcelona/1992 competiu pela União Soviética.

Fonte
 
Eu >
Imagem
 
sensatioN; Escreveu:Eu >
Imagem
 
Preguiça de ler! :icon_neutral: