•  
     

Falta de luz cancela jogo da Seleção, que requisita taça do Superclássico

A falta de luz no Estádio Centenário de
Resistência suspendeu a realização do
confronto entre Brasil e Argentina, nesta
quarta-feira, pela decisão do
Superclássico das Américas. Enquanto a
imprensa local divulgou que o apagão
teria acontecido por causa de um
incidente envolvendo o ônibus do time
canarinho, os organizadores do evento
deram duas versões para o cancelamento
do duelo: o horário do voo da Seleção,
marcado para 1h30m (de Brasília), e que
os refletores teriam sido acesos com
antecedência e acabaram não
suportando até o início do jogo.
O goleiro Jefferson falou da decisão
tomada pela organização da partida.
- Foi uma decisão unânime do grupo. Eles
nos consultaram, e esperamos ate o
último minuto - afirmou o goleiro na
saída do estádio.
Com o cancelamento da partida, os
jogadores aproveitaram para comer no
vestiário pizzas pedidas de uma das
lanchonetes do estádio. Em seguida, o
grupo seguiu para o aeroporto de
Resistência para retornar ao Brasil. No
regulamento do Superclássico,
independentemente de o Brasil ter
vencido a partida de ida (2 a 1, em
Goiânia), o campeão do torneio será
decidido em comum acordo entre a CBF
e a AFA.
- Pela lógica, nós somos os campeões,
mas temos que esperar o desejo de
todos - disse o diretor de Seleções da
CBF, Andrés Sanches.
O dirigente afirmou ainda que não existe
a possibilidade da realização de uma
nova partida.
- O nosso calendário já está apertado.
Não existe a possibilidade de ter outro
jogo.
O motorista do ônibus da Seleção,
Gustavo Bolla, que conduziu o time
canarinho até a arena, negou que tenha
batido no trailer de energia do estádio.
Coincidência ou não, o primeiro apagão
aconteceu quando os jogadores deixavam
o veículo na chegada até o vestiário.
As duas equipes entraram pontualmente
no campo e seguiram todo o cronograma
até o pontapé inicial. Antes de tentarem
iniciar o jogo, "curtiram" dois cantores
argentinos responsáveis pela execução
dos hinos nacionais de Argentina e
Brasil. Mas... A luz não voltou. O árbitro
conversou várias vezes com o goleiro
Jefferson e o zagueiro Sebá Dominguez,
capitães das seleções, e decidiu pelo
retorno das duas equipes ao vestiário
para a normalização da situação.
Até as 23h10m (de Brasília), o refletor
principal seguia apagado e impedia a
realização do confronto. Assim, CBF e
AFA decidiram cancelar a partida.
Segundo a TV Globo, a organização do
estádio chegou a requisitar um novo
gerador. Porém, por volta das 22h40m
(de Brasíllia), a previsão era de que o
aparelho só estaria no local em 30
minutos. Fato que não se concretizou.
- Apagou tudo, não mudou nada. Vamos
aguardar no vestiário. Estávamos
aquecidos, preparados, mas não deu
para começar a partida - afirmou Lucas
antes de sair de campo.
Por causa do atraso no início da partida,
a seleção brasileira viveu outro dilema
até a decisão de cancelamento do
confronto. O voo fretado que conduziu o
grupo até Resistência só poderia pousar
no aeroporto de Guarulhos até as 4h30m
(de Brasília). Com isso, a programação
do time canarinho ficou apertada para
cumprir o itinerário e os horários
estipulados para o retorno a São Paulo.