•  
     

Manuscrito de garrafa achada em Curitiba diz que existe uma "cápsula do tempo"

Restauradores da Fundação Cultural de Curitiba (FCC) revelaram, na manhã desta quinta-feira, o que havia dentro da garrafa encontrada embaixo da estátua de Tiradentes, na praça de mesmo nome (no centro), em Curitiba, há uma semana.

Imagem


Além de uma moeda de 100 réis, com data de 1924, um manuscrito assinado por João Turin, escultor da estátua, e pelo menos outras duas pessoas, aponta a existência de uma "cápsula do tempo", que estaria escondida em outro local da mesma praça.

A mensagem, com data de 25 de janeiro de 1932, relata a mudança de posição do monumento de Tiradentes na praça e revela que a "cápsula do tempo" está na base onde a estátua se encontrava anteriormente.

A estátua foi instalada na praça Tiradentes, o marco zero da capital paranaense, em 1927, e removida do local original poucos anos depois.

Segundo o manuscrito, essa nova "cápsula do tempo" contém a primeira página do jornal "O Dia" de 21 de abril de 1927 --Dia de Tiradentes--, algumas moedas de níquel e cobre e uma ata com assinaturas de diversas autoridades.

A prefeitura afirmou que vai analisar formas de encontrar a nova garrafa, mas não apontou prazo para isso.

A revelação do conteúdo da garrafa aconteceu no Ateliê João Turin, com representantes da FCC, o gestor do projeto de restauração das obras de Turin, Maurício Appel, e o proprietário do acervo do artista, Samuel Ferrari Lago.

Agora o manuscrito e a moeda serão higienizados e ficarão em poder da FCC.

A escultura de Tiradentes, feita pelo paranaense João Turin (1878-1949), está sendo restaurada pelo escultor Elvo Benito Damo e deve retornar à praça em 60 dias.

Imagem estátua do Tiradentes :
Imagem


Fonte: Uol & Facebook