•  
     

Por que com o passar do tempo o Windows fica lento?

Imagem


Se você é usuário do Windows, é bem possível que em algum momento tenha reclamado que o PC estava mais lerdo do que uma tartaruga. Esse sentimento é compartilhado entre muitos adeptos do sistema operacional da Microsoft e, por consequência, é um dos argumentos mais usados por quem apoia os softwares livres para convencer outras pessoas a seguir essa filosofia de “vida virtual”.

Deixados os diferentes pontos de vista de lado, depois que a explosão de raiva passa (e a máquina consegue finalmente rodar o programa executado), surge a curiosidade de saber por que o SO se torna cada vez mais lento com o seu uso.

Registros inválidos


Em essência, os sistemas operacionais acumulam dados com frequência. O problema é quando esse amontoado de informações é mantido sendo desnecessário para o correto funcionamento da plataforma. Eis que chegamos a um dos grandes problemas do Windows.

Grosso modo, o software da Microsoft armazena tudo o que fazemos no computador, como execução de programas, preferências das contas dos usuários e personalização das configurações de componentes de hardware, em um banco de dados – o chamado Registro do Windows.


Ao longo do tempo, vamos instalando e desinstalando aplicativos, alterando configurações da máquina e mudando o visual do sistema. A cada nova atividade, acontece uma movimentação de arquivos e dados temporários dentro da plataforma – os quais são responsáveis por passar as diretrizes para o funcionamento do PC. Contudo, muitos dos dados salvos anteriormente nesses registros são deixados para trás.

Com isso, o espaço de armazenamento para essas informações vai crescendo e, toda vez que você executa um comando, o SO precisa percorrer uma infinidade de registros para encontrar a diretriz que precisa. Consequentemente, o tempo de resposta do Windows fica mais lento.

Uma pesquisa realizada pela iolo Labs monitorou o comportamento de máquinas utilizadas entre 0 e 24 meses. Um dos resultados alcançados foi que nesse período o Windows XP passou a apresentar 340 erros entre o total dos seus registros – o que pode aumentar a possibilidade de travamentos e o acúmulo de processos inúteis, sobrecarregando o processador e a memória RAM.



Além disso, os arquivos salvos pelo Windows são “despedaçados” e vão sendo alocados de maneira aleatória – uma bagunça que também influencia no tempo de recuperação das informações. Isso porque a plataforma conhece apenas os bytes inicial e final de cada arquivo e precisa encontrar as partes restantes daquele conteúdo em todo o disco de armazenamento.

Por tais características é que a desfragmentação do HD (leia-se agrupamento dos pedaços de um mesmo arquivo e eliminação dos espaços vazios) é fundamental para um bom desempenho do sistema operacional.

Como você deve ter percebido, a mania de alguns usuários de instalar tudo o que é tipo de software no PC é extremamente prejudicial para o desempenho do Windows. A prática de testar dezenas de programas e depois desinstalá-los acaba deixando rastros dos aplicativos e entradas inválidas no Registro do sistema.



Atualizações do Windows


Quem utiliza o sistema operacional da Microsoft há muito tempo sabe que a empresa lança constantes atualizações para a sua plataforma (geralmente acrescentando melhorias de segurança ou corrigindo pequenas falhas). Contudo, existem reformulações mais complexas e que alteram diversas características do software – os conhecidos Services Packs.

É indiscutível que tais adaptações são essenciais para manter o computador seguro. O problema nesses procedimentos é que todas essas atualizações vão se sobrepondo aos arquivos existentes. Esse é outro fator que colabora com o acúmulo de dados completamente desnecessários para o SO.



Em suma, quanto mais softwares forem agregados ao sistema, mais registros são criados, novos processos são iniciados, outros drivers são necessários e, obviamente, maior será a exigência do hardware.

Por isso, uma máquina com o Windows XP que passou pelas atualizações dos Services Packs 1, 2 e 3 nunca terá o desempenho de um PC que teve o SO instalado diretamente com a terceira versão do pacote de melhorias – mesmo que ambos os equipamentos tenham a mesma configuração de hardware.



Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/aumentar-des ... z1eNV18LnF
 
Halmore Escreveu:
Imagem


Se você é usuário do Windows, é bem possível que em algum momento tenha reclamado que o PC estava mais lerdo do que uma tartaruga. Esse sentimento é compartilhado entre muitos adeptos do sistema operacional da Microsoft e, por consequência, é um dos argumentos mais usados por quem apoia os softwares livres para convencer outras pessoas a seguir essa filosofia de “vida virtual”.

Deixados os diferentes pontos de vista de lado, depois que a explosão de raiva passa (e a máquina consegue finalmente rodar o programa executado), surge a curiosidade de saber por que o SO se torna cada vez mais lento com o seu uso.

Registros inválidos


Em essência, os sistemas operacionais acumulam dados com frequência. O problema é quando esse amontoado de informações é mantido sendo desnecessário para o correto funcionamento da plataforma. Eis que chegamos a um dos grandes problemas do Windows.

Grosso modo, o software da Microsoft armazena tudo o que fazemos no computador, como execução de programas, preferências das contas dos usuários e personalização das configurações de componentes de hardware, em um banco de dados – o chamado Registro do Windows.


Ao longo do tempo, vamos instalando e desinstalando aplicativos, alterando configurações da máquina e mudando o visual do sistema. A cada nova atividade, acontece uma movimentação de arquivos e dados temporários dentro da plataforma – os quais são responsáveis por passar as diretrizes para o funcionamento do PC. Contudo, muitos dos dados salvos anteriormente nesses registros são deixados para trás.

Com isso, o espaço de armazenamento para essas informações vai crescendo e, toda vez que você executa um comando, o SO precisa percorrer uma infinidade de registros para encontrar a diretriz que precisa. Consequentemente, o tempo de resposta do Windows fica mais lento.

Uma pesquisa realizada pela iolo Labs monitorou o comportamento de máquinas utilizadas entre 0 e 24 meses. Um dos resultados alcançados foi que nesse período o Windows XP passou a apresentar 340 erros entre o total dos seus registros – o que pode aumentar a possibilidade de travamentos e o acúmulo de processos inúteis, sobrecarregando o processador e a memória RAM.



Além disso, os arquivos salvos pelo Windows são “despedaçados” e vão sendo alocados de maneira aleatória – uma bagunça que também influencia no tempo de recuperação das informações. Isso porque a plataforma conhece apenas os bytes inicial e final de cada arquivo e precisa encontrar as partes restantes daquele conteúdo em todo o disco de armazenamento.

Por tais características é que a desfragmentação do HD (leia-se agrupamento dos pedaços de um mesmo arquivo e eliminação dos espaços vazios) é fundamental para um bom desempenho do sistema operacional.

Como você deve ter percebido, a mania de alguns usuários de instalar tudo o que é tipo de software no PC é extremamente prejudicial para o desempenho do Windows. A prática de testar dezenas de programas e depois desinstalá-los acaba deixando rastros dos aplicativos e entradas inválidas no Registro do sistema.



Atualizações do Windows


Quem utiliza o sistema operacional da Microsoft há muito tempo sabe que a empresa lança constantes atualizações para a sua plataforma (geralmente acrescentando melhorias de segurança ou corrigindo pequenas falhas). Contudo, existem reformulações mais complexas e que alteram diversas características do software – os conhecidos Services Packs.

É indiscutível que tais adaptações são essenciais para manter o computador seguro. O problema nesses procedimentos é que todas essas atualizações vão se sobrepondo aos arquivos existentes. Esse é outro fator que colabora com o acúmulo de dados completamente desnecessários para o SO.



Em suma, quanto mais softwares forem agregados ao sistema, mais registros são criados, novos processos são iniciados, outros drivers são necessários e, obviamente, maior será a exigência do hardware.

Por isso, uma máquina com o Windows XP que passou pelas atualizações dos Services Packs 1, 2 e 3 nunca terá o desempenho de um PC que teve o SO instalado diretamente com a terceira versão do pacote de melhorias – mesmo que ambos os equipamentos tenham a mesma configuração de hardware.



Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/aumentar-des ... z1eNV18LnF


Tec mundo é mto bom , acha varias coisas la
 
num sabia disso naum =/ vo fikar mais atento agr