•  
     

Swamp booger, O que são? kospakspoaskpoa



Foto de uma estranha criatura apareceu nas redes sociais e atiçou a curiosidade dos internautas. Mutante? Nova espécie? Afinal, o que são os Swamp Boogers?
A imagem não é nova, mas voltou a aparecer no Facebook e em diversos blogs e sites.

Nela podemos ver o que parece ser uma criatura peluda e com feições quase humanas.

Mas o que será o tal bicho? Uma espécie extinta? Um animal deformado?
Em algumas publicações, o texto afirma que os animais são míticos e que vivem no pântano, na Carolina do Sul. São extremamente tímidos e por ter hábitos noturnos é muito raro achar um desses por aí.

Dá uma olhada na foto do bicho e descubra se isso é verdadeiro ou falso:


Imagem

Verdadeiro ou falso?

Apesar da foto ser real, o bicho mostrado nela é falso!
O espécime esquisitão é conhecido como Swamp Booger e é, na verdade, o resultado da junção de partes de animais empalhados! É uma lenda bastante conhecida na Carolina do Sul e na Flórida (EUA) e cada um desses é considerado uma obra de arte que é vendida aos turistas que passam por lá.

Conclusão
O bicho é, na verdade, o resultado de um trabal
ho de taxidermia. Trata-se de um boneco feito com partes de diversos animais empalhados.

Fonte


Agora pergunto, Meu amigo Swamp é você? :icon_lol: :icon_lol:
Essa tua zuera ja ta ficando perigosa fera!! Melhor para! :icon_lol:
 
É esse macaquinho aí que falam que representa os caras do paranauê??
é que eu não tenho facebook, mas sempre vejo esse macaquinho aí com a frase: "E os paranauê mano, se manja?" ...traduzindo, eu não manjo dessas capoeira..

@Topic: Po eu achei ele munitinho

ARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOIARUIULUIUIOOI