•  
     

VEJA

Cassini descobre sexagésimo satélite de Saturno

A poderosa câmara de grande angular da cápsula Cassini descobriu uma nova "lua" do planeta Saturno, informou hoje a Nasa (agência espacial americana).
O satélite, por enquanto chamado de Frank até que seja atribuído a ele um nome definitivo, fica entre as órbitas de Mehone e Pallene, duas luas do planeta descobertas pela cápsula espacial em 2004.

As medidas iniciais indicam que o satélite descoberto mede aproximadamente dois quilômetros de largura, está a aproximadamente 1,76 milhão de km de Saturno e poderia fazer parte de um grupo, ainda não confirmado, de luas em torno ao planeta dos anéis.

A Nasa assinalou que a câmara da Cassini observou o satélite no dia 30 de maio, e que provavelmente é formado de rocha e gelo. "A lua recém descoberta apareceu primeiro como um ponto muito difuso em uma série de imagens que a Cassini tirou do sistema de anéis de Saturno", disse a agência.

Depois da detecção final, Carl Murray - um dos cientistas na equipe de imagens da Cassini, e que trabalha na Universidade Queen Mary de Londres - e seus colegas fizeram um trabalho de detetives, buscando pistas do satélite na volumosa coleção de imagens enviadas pela cápsula.

"Com este novo conjunto de dados pudemos estabelecer uma boa órbita para a nova lua", disse Murray que, com seus colegas, terá a oportunidade de estudar um pouco mais a 60ª lua de Saturno quando a trajetória da Cassini colocar a cápsula a cerca de 11.700 km do satélite.

Saturno continua sendo o segundo planeta em número de satélites no sistema solar, logo atrás de Júpiter, que já tem 63 luas identificadas. Nos últimos anos, aumentou entre os astrônomos o debate sobre a definição de que é um planeta e igualmente há outra discussão em andamento sobre que tamanho um satélite tem que ter para que seja considerado uma lua.

Se fossem incluídos objetos muito pequenos e outros ainda não identificados, a conta de luas cresceria para centenas de milhares.